sexta-feira, 10 de março de 2017

TOMAR, JANEIRO DE 1971

Decorria a formação do nosso batalhão.
Cheguei uns dias atrasado ao inicio da formação do batalhão, pois após ter tirado o curso de Op. Especiais (Rangers) fui requisitado pelo CIOE (Centro de Instrução de Op. Especiais) para dar instrução ao curso seguinte e acabei por me apresentar em Tomar já a formação (especialidade de atiradores do batalhão) decorria há uns dias. 
A determinada altura foi-me solicitado pelo comandante de pelotão aspirante Abel Gama (sentado ao centro na foto anexa), que procedesse à instrução do lançamento de granadas de mão em virtude de ele não o poder fazer por qualquer motivo. 

Antes de começar, desloquei-me à arrecadação de material de guerra da companhia e requisitei uma granada de mão de instrução e encaminhei o pelotão para o espaço entre casernas, onde normalmente se procedia à instrução. 

A determinada altura e no decorrer das explicações e procedimentos, tomando todas as precauções procedi ao rebentamento da referida granada, pois como todos se lembram a perigosidade não era muita na medida que apenas explodia o detonador (porém, esqueci-me que já não estava em Lamego e que era proibido fazer fogo ou detonações dentro dos aquartelamentos). 
De imediato apercebi-me de movimentações estranhas e às tantas aproxima-se o Comandante da Unidade de quem já não me recordo o nome mas que senão me engano era um Coronel, que após eu ter posto o pelotão em sentido me questionou sobre o acontecido e ordenou-me que após a instrução fosse ao seu gabinete. 
Fiquei quase em pânico, já não me recorda se acabei ou não a instrução nesse dia, só sei que me apressei a ir falar com o nosso então Major Emídio Vicente ( que na altura era o oficial designado como o director de instrução do batalhão) a quem expus a situação dizendo que tinha vindo de Lamego... , de imediato se disponibilizou a ir comigo e lá fomos ao gabinete. 
O Major Vicente disse-me para eu esperar fora enquanto ele ia falar com o Comandante. 
A coisa esteve feia, pois eu cá fora ouvia as vozes um pouco alteradas, mas a determinada altura o Major Vicente sai e com um afável toque nas costas encaminha-me para o gabinete do Comandante dizendo-me (não te preocupes). Entrei, expliquei, ouvi ameaças de porrada e de prisão e a determinada altura um retire-se. Felizmente não passou de ameaças.
Obrigado outra vez Sr. Coronel Emídio Vicente, será que se lembra deste episódio?

Sem comentários:

Enviar um comentário

O BCaç 3843 agradece o comentário.