terça-feira, 27 de outubro de 2009

Quartel Atalaia Tavira


No meu caso específico, fui destinado ao Quartel da Atalaia em Tavira onde iria aprender uma “árdua tarefa”.
Digo árdua, porque estávamos em pleno Verão e no Algarve faz imenso calor como todos sabem. O que eu não sabia era para que servia tudo aquilo porque estava a passar, mas lá ia caminhando e rindo.
Depois de ter passado as "passas do Algarve", pois naquele aquartelamento de Tavira havia de tudo, de tudo mesmo. Foi-me destinada uma caserna a 4ª, a pior de todas, onde era missão impossível dormir na cama, porque os habituais parasitas já tinham tomado conta dela, de modo que a única solução foi ocupar os bancos da parada. Como era Verão não houve outra hipótese. Desta fase recordo as longas caminhadas que fazíamos pelos montes algarvios e onde, por cada passagem se ia enchendo o bornal de amêndoas, figos e tudo o que demais havia para comer. Recordo de ter assistido a um “casamento” na parada e ainda o tenente Pisco essa figura sem comparação, porque era um homem de estatura baixa, sempre impecavelmente fardado, mas com uma pequena particularidade, não tinha barba. Dito isto era vê-lo sempre a verificar nas formaturas se todos os soldados a tinham perfeitamente cortada antes de saírem do quartel. Muitos tinham de repetir a operação.
Eu nessa altura tinha 2 pares de botas, umas 40 e outras 42. As 40 eram usadas somente para sair pois estavam sempre impecavelmente brilhantes. As outras naturalmente eram usadas na instrução. Então um dia estava eu na formatura e calhou ser o tenente Pisco a passar revista. Quando ele viu as minhas botas o homem nem queria acreditar que era possível ter umas botas assim. Mandou-me dar um passo em frente e virado para os restantes elementos do poletão, ganhei ali, naquele instante 3 dias de licença pelo estado impecável em que estava. Enfim lá tive de pagar o petisco aos camaradas que costumavam privar comigo.
E eis-me chegado ao fim do curso de Informações e Operações. De todas estas caras, é claro que recordo algumas com saudade. Terminei o 2º ciclo do CSM com a classificação de 14,76 valores na especialidade de Informações e Operações em 5 de Setembro. Quando soubemos que eramos chamados para o Ultramar por ordem de nota mais baixa, houve naturalmente uma corrida para ver quem tinha a nota mais inferior, visto que só eramos convocados um por batalhão.
A vida continua e depois desta caminhada por terras algarvias, sou novamente recambiado para bem longe, neste vasto território nacional. Sim porque naquela época corria-se o País de lés a lés. Quem era do Norte vinha para o Sul e vice-versa.

1 comentário:

  1. Também estive em Tavira,Julho 67, instrutor alf.
    Romano Pires.R.I.15.Moçambique 1968/70 ZOT.B.Caç
    2842-C.Caç 2357.O Camarada Joaquim Santos,tem um
    Blogue,muito interessante sobre o Batalhão.Se
    acharem oportuno,vizitem-nos em:
    olharopassado.blogspot.com
    Este vosso camarada, Carlos Nabeiro.

    ResponderEliminar

O BCaç 3843 agradece o comentário.