quinta-feira, 12 de novembro de 2009

O ZAMBEZE INFORMA


O ZAMBEZE
(Jornal de informação do BCaç 3843)

Director e Editor: Exmo. Major António Lopes Figueiredo
SubDirector: Alferes Capelão Augusto Gomes Gonçalves
Chefe de Redação: Alferes Miliciano Tomaz Alfredo Serpa Miranda
Orientação Gráfica: Furriel Miliciano Victor Pessa
Redação e Distribuição: Secção de Operações e Informações
Propriedade do Batalhão de Caçadores 3843




O nosso camarada Abraços Palma enviou-nos esta foto onde aparecem os Furrieis Marques e Duro com o 1º Cabo Ribeiro, só não disse aonde foi tirada.
Foto enviada pelo Abraços Palma.
Foi tirada quando da visita do Dr do Songo e da sua enfermeira que por sinal era prima direita do mecânico Francisco Veloso e tinha andado a estudar comigo (Palma) na escola comercial de Beja. Na foto estão o Veloso, eu (Palma), alferes Nicolau, e um alferes de Cheringa???
Foto enviada pelo Silvério Horta.
Ainda se recordam do que isto é, ou já esqueceram?

Antes e depois!
Fotos enviadas pelo nosso Major Vicente.
Fotos enviadas pelo nosso camarada Artur Duro.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Saudação aos que partiram...

No passado dia 28 de Agosto de 1971, uma das Companhias que está adida ao nosso Batalhão e que connosco vive, ficou de luto pela morte de 3 homens. Estes bravos perderam a vida no rebentamento de uma mina na picada. Eram eles:

  • 1º Cabo José Egidio Gomes da Gama, natural de São Gonçalo, Funchal, Madeira;
  • Soldado José do Nascimento Agostinho, natural de Bombarral;
  • Soldado Rogério Cardoso Pinto, natural de Alcântara, Lisboa.
Poucos dias depois, no dia 31, era a nossa CCS e a Companhia de Caçadores 3357 que ficavam de luto. A coluna seguia com destino a Tete para se reabastecer e entre Chicoa e Estima a Berliet virou-se causando a morte a:
  • Furriel de Reconhecimento e Informação da CCS, Nuno Fernandes Galvão, natural de Milhão, Bragança;
  • Furriel Atirador da CCaç 3357, Carlos Alberto Amorim, natural de Vila Nova da Cerveira;
  • Soldado nativo da CCaç 3357, Normamad Abdula, natural de Nova Lusitânia, Beira
 É com saudade que lembramos estes heróis da Pátria, quer pela amizade e camaradagem que sempre nos mereceram, quer pelas suas qualidades. Ao Furriel Galvão quer o jornal "O Zambeze" prestar a sua homenagem pelo facto de ter sido ele o principal colaborador no nosso 1º número, que saiu já depois da sua morte.
(texto extraído do jornal "O Zambeze".

Companhia Caç 3357

Sim!
Vive a CCaç 3357 e aliás com grande sentido de camaradagem, dentro de um acampamento designado pelo nome de CHIRINGA.
Está cercado de morros por todos os lados ou não fosse um acampamento com uma meia dúzia de casernas branquinhas e que ao explendor da lua faz lembrar toda a nossa linda Metrópole.
E vamos vivendo no acampamento!

Mais além dezenas de cabanas de gente de outra côr mas que para mim e meus camaradas são vizinhos tal como os da Metrópole. Todo o acampamento indígena tem algo tão selvagem, tão rude que ao penetrar no capim temos vontade de chorar, porque a todo o momento lembramos os nossos lares muito superiores, por pobres que sejam.
Mas lutando porque para isso o nosso espírito de sacrifício nos empurra.
Valentes? Não sei...
Heróis? Talvez...
Só sei que caminhamos e para nós não existem obstáculos, existe sim o nosso pensamento na missão cumprida.
Picadas ou trilhos, que na nossa simples imaginação não cabiam, mas que infelizmente são verdadeiros. E lá vamos carregados com a arma, o cantil, as cartucheiras e o bornal com o pensamento de que iremos sobreviver para voltarmos para os nossos entes queridos que nos aguardam com tal ânsia como a que sentimos nas horas de perigo.
Voltaremos?
Sim.
(este texto foi escrito por António dos Santos Silva. 1º cabo AP Met)

Companhia Caç 3356



Companhia Caç 3355


(http://olharopassado.blogspot.com/)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

As Operações...

A zona de Cabora Bassa após a inundação da albufeira da barragem. Ver Mapa no Google.
Apesar de nunca ter sido destacado para realizar uma operação, pois a minha função não era essa, ajudava na sala de Operações na elaboração dessa tarefa. Todas as missões apresentavam à partida um risco elevado para quem nelas participasse, mas não podemos esquecer de quem tinha a missão de enviar os nossos soldados para elas. Eram situações muito intensas, viviam-se por vezes momentos de alguma angústia, mas ordens são ordens e tinha-se de cumprir.

Hei-los que partem para mais uma missão heli-transportada.
O inimigo tinha sido detectado e estava localizado numa palhota. Nesta missão esteve presente o nosso 2º comandante Vicente. O Heli aproxima-se do chão e major Vicente salta, sendo colhido por um disparo de "canhangulo", sofrendo de imediato o impacto de um estilhaço que felizmente passou de raspão na testa, fazendo com que a sua cara se ensanguentá-se.
Esta foto foi cedida gentilmente pelo Major Vicente,

domingo, 1 de novembro de 2009

As Emboscadas...

Estáva no quartel quando de repente se houve bem perto de nós, pelo menos era essa a sensação, muito barulho de tiros e morteiros. De imediato corremos para o rádio na tentativa de saber o que se estava a passar. O poletão que tinha ido escoltar uma coluna a Chicoa estava a ser atacada já no regresso e havia baixas. De imediato se formou um grupo de socorro que partiu para o local.
De facto a situação não podia ser mais grave. Alguns feridos, o Capitão da Companhia, que estava connosco no quartel, ferido com gravidade, era uma situação desoladora. Os pedidos de evacuação já tinham sido emitidos e os helis fizeram tudo com bastante rapidez.

O Comandante da ZOT - Zona Operacional de Tete, esteve presente no local e acompanhou as evacuações conjuntamente com os nossos comandantes, Figueiredo e Vicente.



As DOs faziam também trabalho de evacuação de feridos.

Todos colaboravam na evacuação dos feridos.


A emboscada tinha sido bem montada. O alvo tinha sido assinalado e a basucada fatal não falhou. Tudo foi muito rápido. Podia ter sido muito pior não fosse a rápida percepção do condutor da Berliet, ao ouvir um tiro de pistola a assinalar o inicio da acção atacante. Este travou de imediato e atirou-se para o lado gritando que era ataque. A pouca experiencia dos demais talvez tivesse sido a causadora dos feridos havidos. Podemos ver pela foto o estrago causado na viatura. O Capitão estava sentado na mesma posição que o soldado mostra e em vez de se atirar logo para aquele lado, foi levado pelo instinto e atirou-se para o mesmo lado do condutor, perdendo daquela forma uns segundos preciosos para se salvar.

Infelizmente veio a falecer com hemorregias internas. Este camarada tinha pedido a transferência da Guiné para Moçambique porque a guerra na Guiné era muito severa e ali, pensava ele, a situação era mais calma.

Chegou-me a seguinte imagem acompanhada da carta que a seguir transcrevo na íntegra, do nosso camarada José Abílio Mourato, que fazia parte da C.CAÇ. 4241 que esteve connosco em Chipera.

Caro Companheiro Pessa:
Como a Internet é boa!!!
Recebi o teu mail (permite-me tratar-te por tu) e o endereço do blogue do B.CAÇ 3843.
Estive na Chipera entre 1972 e 1974. Fazia parte da C.CAÇ 4241.
Esta companhia não pertencia a nenhum batalhão, era independente, dependendo operacionalmente da CCS do B.CAÇ 3843, onde tu estavas. Eu Era o cabo escriturário, havia só um e esse um, era eu. Pelos vistos estivemos juntos na Chipera, pelo menos 2 meses, até que vocês rodaram para a Zambézia, em Outubro de 1972. Hoje quando abri o teu mail e fui ao blogue, chorei à frente do computador como uma Maria Madalena, E explico porquê.

Nós chegámos a Chipera em 9 de Agosto de 1972. Era já noite e eu nunca mais esqueço um camarada teu a perguntar pelo “checa” escriturário. Os das transmissões perguntavam pelos “checas” das transmissões, os da “ferrugem” pelos seus similares e assim por diante. Depois do fartanço das primeiras rações de combate, com salsichas intragáveis made South África, desde a Beira até Chipera, com paragem em Moatize e Estima, confesso que a sopa quentinha e o banho que os colegas escribas da CCS proporcionaram ao checa escriturário acabado de chegar, foi dos maiores confortos que me aconteceram. Também tinham cama para mim, nessa noite, na camarata deles.

No outro dia começámos a arrumar a tenda, até nos integrarmos no espírito da Chipera que incluía umas “visitas” à Isaura no aldeamento. Nunca me arrisquei a isso, por precaução.

O nosso capitão, Celestino da Cunha, miliciano, já quase formado em medicina, era muito meu amigo. Ele também beneficiava em ter um sargento “xico” com quem se desse bem e um bom escriturário, para administrar a logística e desde que formámos a companhia, em Abrantes, mostrou logo simpatia pela dedicação que eu tinha na arrumação da papelada. Quando chegámos à Beira, formou a companhia e disse: “chegámos à guerra e a partir de agora, juizinho para voltarmos todos à Metrópole”. Mal sabia o que lhe estava para acontecer.

No dia 24 de Agosto de 1972, tinha-me dito: “Ó Mourato, tens que falar com os mainatos para te ajudarem a colocar uma protecção nas entradas do telhado de zinco da secretaria, porque quando há os remoinhos de vento, o pó é mato em cima dos papéis, que nem consigo assinar".

No outro dia, logo de manhã, as transmissões recebem uma mensagem vinda da Chiboeia, dando conta de um violento ataque por volta da meia-noite, ao pelotão da nossa companhia que lá estava aquartelado. Afinal tinha-se concretizado aquilo que já estávamos à espera e que se tinha institucionalizado na estratégia de combate na Frelimo, o chamado “Baptismo de fogo”, normalmente com grande intensidade às companhias checas acabadas de chegar. O ataque foi feroz, arderam as instalações, quase todas feitas de capim, os frigoríficos a petróleo, uma metralhadora, destruída etc., tendo ficado feridos 4 elementos 2 dos quais em estado muito grave. O enfermeiro esteve toda a noite com os feridos mais graves tentando estancar as hemorragias na cara de um que ficou cego de uma vista. Os rádios ficaram sem funcionar e só de manhã é que nos comunicaram o acontecido, servindo-se de um rádio da milícia do aldeamento.

Organizou-se logo uma coluna de auxílio ao pelotão da Chiboeia, comandada pelo nosso capitão Cunha. Ainda parece que estou a ouvir o Major Figueiredo com o seu vozeirão e a sua experiência já de muitos meses de Chipera dizer para o capitão.”Cuidado que eles atacaram o destacamento e agora sabendo que vão lá, têm minas na picada”. A coluna de auxílio lá foi progredindo lentamente com os detectores de metais, mas minas não havia. Havia sim outra coisa bem pior: os guerrilheiros da Frelimo, vindos de outras áreas, seleccionados entre os melhores, para o célebre Baptismo de fogo dos checas acabados de chegar, com apenas 15 dias de mato, fizeram o ataque ao destacamento à meia noite e permaneceram emboscados por ali até às 11 horas da manhã do dia seguinte, à espera da coluna de apoio. Já próximo, apenas a cerca de 3 Kms da Chiboeia, com a coluna sobre a mira, fizeram um ataque brutal, atingindo alguns elementos e em cheio o capitão Cunha que ficou com a perna esfacelada e separada em dois bocados a esvair-se em sangue. Contou-me o enfermeiro Lourinho que foi quem o assistiu até à vinda do helicóptero que ele, conhecedor, pois era médico, lhe pedia para lhe dar a morfina que tivesse em seu poder para lhe aliviar as dores. Nós, os “aramistas”, seguíamos com ansiedade o que se estava a passar naquela maldita picada. O homem do rádio na picada, a tremer de medo, dizia cá para o posto, atabalhoadamente, para o major Figueiredo: “fomos atacados na picada, há não sei quantos feridos, o nosso capitão é o que está pior.” O major em altos berros dizia-lhe “Ó pá levanta-te que o fogo já passou e diz-me quantos feridos e mortos há, para eu saber quantos helicópteros hei-de pedir para a Estima.” Passado umas horas chega o séquito dos helicópteros para a evacuação na picada e também um da “psico” a sobrevoar o aldeamento da Chipera, fazendo a propaganda do costume, para a população se manter calma, porque estávamos ali para manter a paz e não para fazer a guerra.

Depois da evacuação dos feridos para Tete, ficámos ansiosos esperando notícias do capitão. Ao sol-posto, o Sargento Raposo, vinha cabisbaixo, do posto das transmissões, com uma mensagem, dando a triste notícia: “o nosso capitão morreu, não resistiu às hemorragias internas

Esse malfadado dia 25 de Agosto de 1972, nunca mais o esqueci, assim como não esqueci as palavras que o enfermeiro Lourinho ouviu quando estava na picada com o capitão, em agonia, à espera da evacuação. Guardei sempre essa imagem como se a estivesse a ver. Já a contei dezenas de vezes.

Hoje quando fui ao blogue e vi em fotografia a perna do capitão separada em duas, preenchendo o imaginário que sempre tivera, apenas por ouvir contar, chorei sozinho em frente ao monitor. É um documento que vou guardar e pelo qual te felicito o teres eleito para colocação na opção “EMBOSCADAS”. Não fazia ideia poder haver registo de tamanha tragédia. Já mandei para alguns companheiros da C.CAÇ 4241.

Bem hajas pelo excelente trabalho que tiveste em redor do blogue.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Um dia atrás do outro...

Um dia bastante esperado era o dia do pagamento. Nesta foto podemos ver o nosso 1º Sargento Careto (hoje Capitão), contando as notas uma por uma, para que não faltasse nada. A foto seguinte mostra o autor no seu local de trabalho, tendo como fundo o mapa da Zona Operacional de Tete (ZOT).

Uma das minhas obrigações era elaborar o relatório circunstanciado da nossa actividade e efectuar a sua distribuição pelas diversas unidades incluindo o Q.G. Realizava o trabalho na maior paz e deixava tudo pronto para no outro dia ser levado pelo avião que iria transportar o correio. Como sempre gostei de trabalhar à noite, grande parte desse trabalho era feito nesse período. Assim de manhã podia ficar mais um pouco na cama. Não raras vezes era chamado pelo nosso Comandante ao gabinete dele, porque o Alferes Miranda pensava que eu não tinha feito nada e que andava "baldado". Acho que o Alferes Miranda não aprendeu nada comigo, pois em Mocuba continuou a repetir as mesmas acções, saindo-se sempre mal. Quem não se lembra do "O ZAMBEZE" jornal de Informação, distribuido pelo Batalhão? Pois é grande parte da sua realização passava pelas minhas mãos. Claro que tinha a colaboração de todos quantos participavam com artigos que naturalmente eram publicados sempre com a supervisão do nosso Capelão Padre Gonçalves.

No local de trabalho

Por vezes era necessário proceder ao enchimento dos variados depósitos de água que abasteciam os balneários, do aquartelamento. Nesta foto podemos ver dois camaradas a efectuar essa operação. Na foto seguinte, o aspecto do meu quarto que compartilhava com o Zé Simões e o Artur Duro.

A hora das refeições eram sempre um espectáculo de bom comportamento. Ninguém passava à frente e lá iam eles todos aprumados para mais uma barrigada.


Aqui com alguma criançada, a pequena Maria e irmão. Na foto ao lado as lavadeiras também quiseram tirar uma para mais tarde recordar.

Uma familia tradicional junto da sua habitação. Eu e o Sardinha. Também se observa o Miguel que estava descansando depois de um dia de trabalho bastante árduo!

Eram todos da zona das Caldas da Rainha.

Ronda da PM em Chipera. Nesta foto podemos ver o Castro do SPM, Tony, António Luis Sousa Pinto (falecido em Angola quando do abate de um avião civil pela UNITA) o Zé Manel e o Palma.
(Foto enviada pelo Palma)

Este grupo dedicava-se à arte de bem cozinhar. Podemos ver o Furriel Vago-Mestre Falcato Simões, o Antunes e demais camaradas.
(Foto enviada pelo Luis Antunes -cozinheiro)

O Luis Antunes pergunta se alguém se lembra desta grande caçada?
Naquele dia tiveram carne de 1ª para mais de uma semana. Na foto ao lado a tradicional matança do porco em Chipera.



...e a trabalheira que foi juntar aquelas pedras todas? No fim até ficou muito bem.

O dia terminava quase sempre com um por-do-sol maravilhoso. Mesmo que tivesse chovido.
Esta sequência de 3 fotos demorou 1 hora a ser realizada.

Uns Chegam, outros Partem.
No dia 12 de Agosto chegou a Chipera a CCaç 4241, que veio render a CCaç 2758, que acabara a comissão, primeiro em Cabo Delgado e depois em Chipera. Ao sr Comandante, oficiais, sargentos e praças da CCça. 2758 "O ZAMBEZE" agradece todo o esforço, sacrifício, abnegação e coragem que demonstraram na luta oelo terrorismo, bem como a amizade e camaradagem que sempre nos consagraram. É de vincar bem esse ambiente de humanidade e camaradagem que reinava entre nós. A demonstrá-lo está bem patente a despedida, que manivestada no beberete que a CCS oferecera à 2758 e o que esta ofereceu à CCS, quer a despedida própriamente dita, que se dera às 14 horas do dia 18 de Agosto. Basta dizer que se viam muitas lágrimas no rosto dos que ficavam e dos que partiam.
Os camaradas que ficam auguram a todos os que partem um óptimo futuro na vida civil que vão retomar, cheio de felicidades e venturas.
À CCaç 4241 "O ZAMBEZE" recebe de braços abertos, certo de que não há-de desmerecer os seus antecessores. Ao sr Comandante, demais oficiais, sargentos e praças, oferecemos os nossos préstimos, na certeza de que todos unidos algo de positivo e útil ficará a provar aos nossos vindouros o valor e a audácia do sangue Português.
(texto extraído do jornal "O ZAMBEZE" edição nº 5)